Arquivos

XXIV Encuentro Nacional e Internacional de Mujeres Poetas – 4

Finalizando a partilha da poesia que encontrei no XXIV Encuentro Nacional e Internacional de Mujeres Poetas, em Cereté, Colômbia, compartilhando um pouco da arte da poeta colombiana Yirama Castaño Güiza.

El silencio de los bosques

A lo lejos,
un pájaro canta
en honor del Dios de los árboles.
Nadie, entre aquellos que conversan,
se ha dado cuenta de la mudez
que mueve sus alas.


O silêncio dos bosques

Ao longe,
canta um pássaro
em honra ao Deus das árvores.
Ninguém, entre aqueles que falam,
se deu conta da mudez
que move suas asas.


Un parque natural

En ese extraño lugar
cada día tiene una única palabra,
cada sombra busca su destino
cada boca pronuncia una oración
cada animal entierra bajo la luna su propia piel
cada hombre prolonga la mano a su manera
    y dibuja líneas blancas en la selva. 
En ese maravilloso lugar
cada flor es primavera
cada sonido es un pájaro
y los pequeños aprendices
dan vuelta a la memoria
raspan olvidos,
anudan el hilo
y cortan el tiempo
     con sus dientes.


Um parque natural

Nesse estranho lugar
cada dia tem uma palavra única,
cada sombra procura seu destino
cada boca pronuncia uma prece
cada animal enterra sob a lua a própria pele
cada homem estende a mão a sua maneira
    e desenha brancas linhas na selva.
Nesse maravilhoso lugar
cada flor é primavera
cada sonoridade é um pássaro
E os pequenos aprendizes
enovelam a memória
alisam esquecimentos,
amarram o fio
e cortam o tempo
     com seus dentes.


Poemas: Yirama Castaño Güiza
Tradução de Marcia Pfleger

 

Al aire libro_2017

Imagem cedida pela poeta

Yirama Castaño Güiza nasceu em Socorro, Santander – Colômbia. É jornalista e editora. Participou da criação e fundação da Revista e da Fundación Común Presencia. Faz parte da assessoria do Encuentro Internacional de Mujeres Poetas de Cereté, Córdoba. Seus poemas são traduzidos e publicados na Colômbia e no exterior. Participou de importantes festivais de poesia na Colômbia e em encontros internacionais de escritores. Livros publicados: Naufragio de luna, 1990; Jardín de sombras, 1994; El sueño de la  otra, 1997; Memoria de aprendiz, 2011; Malabar en el Abismo (antología), 2012; Poemas de Amor (Yirama Castaño, Josefa Parra), 2016; Corps avant l´oubli, Cuerpos Antes del Olvido (Yirama Castaño, Stéphane Chaumet e Aleyda Quevedo), 2016; Antología Poética Ventre de Lumiére, Vientres de Luz, 2017, Queda la Palabra Yo, Antología de poetas colombianas actuales, seleção Verónica Aranda, Ana Martín Puigpelat.

 

 

Anúncios

XXIV Encuentro Nacional e Internacional de Mujeres Poetas – 3

Dando continuidade à partilha de um fragmento da poesia que colhi no XXIV Encuentro Nacional e Internacional de Mujeres Poetas, em Cereté, Colômbia, apresento a poeta francesa Ada Mondès e seu poema Errâncias.

Errances

 

Là où les Hommes oublient d'aller
les montagnes sont criblées de fleurs et de trous de serrures
orbites creuses de géants
bouche de la fée pétrifiée dans le sel
des enfants d'argile
des galeries pour l'âme

Si je marche là-bas
ma clé imaginaire m'ouvre toutes les portes
les sanctuaires dans la roche

La poésie toujours a sa demeure dans le ventre des montagnes
là où toutes les pierres ont un visage

 

Errancias

 

Donde los Hombres olviden ir
las montañas están acribilladas de flores y de ojos de cerraduras
órbitas huecas de gigantes
boca del hada petrificada en la sal
niños de arcilla
galerías para el alma

Si camino allí
mi llave imaginaria me abre todas las puertas
los santuarios en la roca

La poesía siempre tiene su hogar en el vientre de las montañas
dónde todas las piedras tienen un rostro

 

Errâncias

 

Onde os Homens se esquecem de ir
as montanhas estão cravadas de flores e buracos de fechadura
órbitas ocas de gigantes
boca de fada petrificada de sal
crianças de argila
subterrêneos para a alma

Se caminho por aí
minha chave imaginária abre todas as portas
os santuários na rocha

A poesia sempre tem seu lugar no ventre das montanhas
onde todas as pedras têm rosto


Poemas: Ada Mondès
Tradução: Lílian Almeida
Revisão: Ada Mondès e Lílian Almeida

 

Ada

Imagem disponibilizada pela poeta.

 

Ada Mondès nasceu em  Hyères (França) em 1990. Seguiu diferentes caminhos para explorar varios campos artísticos: cinema e teatro, dança, canto, música e escrita. Estudou idiomas e literaturas estrangeiras e suas experiências a tem levado a uma vida nômade, acompanhada de poesia. Publicado pelas Ediciones Villa-Cisneros (2017), Les Témoins – Los Testigos é o seu primeiro livro de poemas, em edição bilíngue (francês- español) cuja tradução é dela mesma. Participou do Festival internacional de poesia de Camps-la-Source (Francia) em abril 2017, do Festival internacional de poesía de Guayaquil Ileana Espinel Cedeño (julho/ 2017) no Equador, do Encontro internacional de mulheres poetas de Cereté (novembro/ 2017) na Colômbia e é convidada da Feira do livro de Havana em Cuba (fevereiro/ 2018). Ada Mondès está instalada agora em Quito (Equador), onde escreve em espanhol e traduz-se para o francês.

XXIV Encuentro Nacional e Internacional de Mujeres Poetas – 2

Dando seguimento à partilha de um fragmento da produção de mulheres que conheci no XXIV Encuentro Nacional e Internacional de Mujeres Poetas, em Cereté, Colômbia, trago a espanhola Jèssica Pujol Duran com uma parte do poema longo que constitui o livro Entrar es tan difícil salir.

 

Jèssica Pujol Duran

 

divisiones abstractas
consecuencias reales
       sangre
animales que cazan
índices que escogen
       las imágenes
       que silencian
       la catástrofe
       se pa rán do nos
de lo primero           
       que nunca fue
de tu cuerpo 
que nunca

divisões abstratas
consequências reais
       sangue
animais que caçam
índices que escolhem
       as imagens
       que silenciam
       a catástrofe
       nos se pa ran do
do primeiro  
       que nunca foi
do teu corpo
que nunca



       puertas giratorias
dentrodelcentro
       ventanasenventa
       todo es posible
en temporada equivocada
comprar es pretérito
       el futuro un probador
       la fe un andamio de espejos


       portas giratórias
dentrodocentro
       janelasemvenda
       tudo é possível
na temporada equivocada
comprar é pretérito
      o futuro um provador
      a fé um andaime de espelhos


Poema: Jèssica Pujol Duran (Do livro Entrar es tan difícil salir)
Tradução: Virna Teixeira

Jèssica Pujol Duran é poeta, investigadora e tradutora. Escreve e traduz em catalão, inglês e espanhol. Publicou três livros: Now worry (Department, 2012), em inglês, El país pintat (El pont del petroli, 2015), em catalão e Entrar es tan difícil salir (Veer Books, 2016) em espanhol com tradução para o inglês de William Rowe. Foi poeta residente na Universidade de Surrey (2013-2014). Dirige a revista de poesia latinoamericana traduzida Alba Londres e atualmente desenvolve um projeto de pós-doutorado na Universidade de Santiago do Chile.

XXIV Encuentro Nacional e Internacional de Mujeres Poetas

Aconteceu entre os dias 1 e 5 de novembro de 2017 o XXIV Encuentro Nacional e Internacional de Mujeres Poetas, em Cereté, Colômbia. Fui convidada a participar do evento enquanto representante do Brasil.

Os cinco dias em Cereté, município de Córdoba, foram de grandiosos contatos estéticos, culturais, humanos, proporcionados pelo Encuentro, sob  a organização de Lena Reza García, e pelo acolhimento dos Ángeles Clandestinos (equipe de apoio do evento) e demais colombianos/as.

Uma experiência singular de contato com dezenas de escritoras de diferentes partes do mundo (Colômbia, Cuba, Espanha, França, Honduras, Noruega e Uruguai) e de vivência poética em cada recital, visita a escolas, bibliotecas, espaços culturais. De interação real e intensa, especialmente com as crianças e seu olhar para o mundo cheio de desejos de futuros poéticos.

Viver o XXIV Encuentro Nacional e Internacional de Mujeres Poetas em Cereté foi experienciar um universo paralelo na ordem dos meus dias, entre sentir e viver a poesia através de cada atividade programada e trabalhar, à distância, nos meus fazeres de docente do ensino superior. Cinco dias em suspensão, imersa na potência de vida que a poesia é capaz criar.

É importante, todavia, assinalar que, a ponte cruzada por mim até a Colômbia, foi tecida por palavras e fazeres de pessoas que me antecederam e que são estimadas por mim e pelos que encontrei na Colômbia: Damário Dacruz, João Vanderlei de Moraes Filho, Clarissa Macedo. O meu muito obrigada por terem ido na frente, abrindo os caminhos.

Partilho, a partir de então, um fragmento da literatura de algumas mulheres que encontrei por lá.

Ketty Blanco

 

Cosmos

El gorrión había muerto.
Encontró la nostalgia.
Yo no pude.


Cosmos

O pardal estava morto.
Encontrou a nostalgia.
Eu não pude.



Nunca podré crear

                                   Excepto quizás una vida más larga/ para
                                                 encontrar nuevas excusas.
                                                          Charles Bukowski

Escribiré solo cuando tenga la habitación propicia.
O propia. Ahora es impossible. Duermo en la sala.
Dos viejas senhoras llegan todos los días
a coserse con mi madre,
y yo debo apurarme para desayunar, pues la mesa
se ocupará con telas y carretes. Pero me digo que
si no escribo ahora, si no soy capaz de encerrarme
debajo del sofá, gruñendo como un perro
mientras las voces de las senhoras golpean
con saña mis oídos,
perderé definitivamente el apetito.


Nunca poderei criar

Escreverei somente quando tiver o espaço ideal.
Ou próprio. Agora é impossível. Durmo na sala.
Duas velhas senhoras chegam todos os dias
a costurar-se com minha mãe,
e eu devo apressar-me no café da manhã, pois a mesa
será ocupada com tecidos e tubos de linha. Mas digo para mim que
se não escrevo agora, se não sou capaz de esconder-me
debaixo do sofá, grunhindo como um cão
enquanto as vozes das senhoras golpeiam
com furor meus ouvidos,
perderei definitivamente o apetite.


Poemas: Ketty Blanco (Do livro Quién anda ahí)
Tradução: Lílian Almeida
Revisão: Lílian Almeida/ Ketty Blanco

Ketty Blanco é poetisa e narradora. Licenciada em Ciências da religião pelo ISECRE (Havana, 2012). Obteve, entre outros prêmios,  prêmio de poesia no concurso nacional “El Camello Rojo” – Havana, 2006; prêmio no concurso nacional de poesia “Regino Pedroso” – Havana, 2009; prêmio no concurso nacional de conto “Ernest Hemingway” – Havana, 2010; prêmio de poesia “Portus Patris” – Puerto Padre, 2016; prêmio no concurso internacional de poesia “Abriendo Puertas” – Guantánamo, 2016. Seus textos têm sido publicados em revistas e antologias dentro e fora de Cuba.

 

Álbum de profundas danças – 4

Finalizando a galeria de palavras e imagens de Profundanças 2: antologia literária e fotográfica, livro organizado por Daniela Galdino e disponível para download gratuito no site da Voo Audiovisual.

Mel Andrade

20140135_1409870179104525_4835255394816611975_n

Miriam Alves

20245463_1409871272437749_3250224034370335588_n

Rita Santana

20108264_1409876139103929_1518047090045185163_n

Thalita Peixe de Medeiros
20228532_1409880089103534_6550628995969680085_n

Todas as imagens foram retiradas da fanpage Profundanças, no Facebook (https://www.facebook.com/profundancas/)

 

Álbum de profundas danças – 3

A gente segue com a galeria de palavras e imagens de Profundanças 2: antologia literária e fotográfica, livro organizado por Daniela Galdino e disponível para download gratuito no site da Voo Audiovisual.

JeisiEkê de Lundu

20108665_1409844929107050_8829218996833366212_n

 

Laiz de Carvalho

20245855_1409846319106911_2967442692252226200_n

Larissa Pereira

20245570_1409859292438947_5671775300297322543_n

Lílian Almeida
20228353_1409868845771325_6645350383808872754_n

Todas as imagens foram retiradas da fanpage Profundanças, no Facebook (https://www.facebook.com/profundancas/)

 

Álbum de profundas danças -2

Prosseguindo com a galeria de palavras e imagens de Profundanças 2: antologia literária e fotográfica, livro organizado por Daniela Galdino e disponível para download gratuito no site da Voo Audiovisual.

Dayane Rocha

20031891_1403914459700097_2521202746456980341_n

Débora Ramos

20229274_1407824725975737_6538091667059125717_n

Érika Cotrim

20140098_1409833099108233_6517980351143043902_n

Haísa Lima
20108159_1409842699107273_6100475274070210186_n

Todas as imagens foram retiradas da fanpage Profundanças, no Facebook (https://www.facebook.com/profundancas/)