Arquivos

A massa

A dor da gente é dor de menino acanhado
Menino-bezerro pisado no curral do mundo a penar
Que salta aos olhos igual a um gemido calado
A sombra do mal-assombrado é a dor de nem poder chorar

Moinho de homens que nem jerimuns amassados
Mansos meninos domados, massa de medos iguais
Amassando a massa a mão que amassa a comida
Esculpe, modela e castiga a massa dos homens normais

Quando eu lembro da massa da mandioca mãe, da massa

Lelé meu amor lelé
Lelé meu amor lelé
No cabo da minha enxada não conheço “coroné”
No cabo da minha enxada não conheço “coroné”
Eu quero mas não quero (camarão). Mulher minha na função (camarão)
Que está livre de um abraço, mas não está de um beliscão (camarão)

Torna a repetir meu amor: ai, ai, ai!
Torna a repetir meu amor: ai, ai, ai!
É que o guarda civil não quer a roupa no quarador
É que o guarda civil não quer a roupa no quarador
Meu Deus onde vai parar, parar essa massa
Meu Deus onde vai rolar, rolar essa massa

 

Raimundo Sodré

Anúncios

Solar

Venho do sol
A vida inteira no sol
Sou filha da terra do sol
Hoje escuro
O meu futuro é luz e calor

De um novo mundo eu sou
E o mundo novo será mais claro
Mas é no velho que eu procuro
O jeito mais sábio de usar
A força que o sol me dá
Canto o que eu quero viver

É o sol
Somos crianças ao sol
A aprender e viver e sonhar
E o sonho é belo
Pois tudo ainda faremos
Nada está no lugar
Tudo está por pensar
Tudo está por criar

Saí de casa para ver outro mundo, conheci
Fiz mil amigos na cidade de lá
Amigo é o melhor lugar
Mas me lembrei do nosso inverno azul

Eu quero é viver o sol
É triste ter pouco sol
É triste não ter o azul todo o dia
A nos alegrar
Nossa energia solar
Irá nos iluminar
O caminho

Milton Nascimento e Fernando Brant

Como la cigarra

Tantas veces me mataron
tantas veces me morí
sin embargo estoy aquí
resucitando.
Gracias doy a la desgracia
y a la mano con puñal
porque me mató tan mal
y seguí cantando.

Tantas veces me borraron
tantas desaparecí
a mi propio entierro fui
sola y llorando.
Hice un nudo en el pañuelo
pero me olvidé después
que no era la última vez
y volví cantando.

Tantas veces te mataron
tantas resucitarás
tantas noches pasarás
desesperando.
A la hora del naufragio
y la de la oscuridad
alguien te rescatará
para ir cantando.

Cantando al sol como la cigarra
después de un año bajo la tierra
igual que sobreviviente
que vuelve de la guerra.

 

María Elena Walsh

 

Noite de estrelas

Arde na terra a solidão da lua
Iluminando meu olhar perdido
Entre campinas, abismos, chapadas.
Meus olhos queimam a última lembrança
Como fogueira em noite de estrelas.
Me deito só
Com vista para o mundo.
Calando fundo meus sonhos,
minhas queixas.
Mas alço voo em busca de teus passos
Piso descalço na terra do teu corpo.
Suave passo, suave gosto,
cheiro de mato.
Meu braço laço, eu lanço em segredo.

Vem ser meu canto, meu verso,
meu soneto.
Vem ser poema no árido deserto.
Serei oásis, silêncio, festejo.
Serei sertão nas horas de aconchego.

Roberto Mendes e Ana Basbaum

 

Se eu quiser falar com Deus

Se eu quiser falar com Deus
Tenho que ficar a sós
Tenho que apagar a luz
Tenho que calar a voz
Tenho que encontrar a paz
Tenho que folgar os nós
Dos sapatos, da gravata
Dos desejos, dos receios
Tenho que esquecer a data
Tenho que perder a conta
Tenho que ter mãos vazias
Ter a alma e o corpo nus

 Se eu quiser falar com Deus
 Tenho que aceitar a dor
 Tenho que comer o pão
 Que o diabo amassou
 Tenho que virar um cão
 Tenho que lamber o chão
 Dos palácios, dos castelos
 Suntuosos do meu sonho
 Tenho que me ver tristonho
 Tenho que me achar medonho
 E apesar de um mal tamanho
 Alegrar meu coração

 Se eu quiser falar com Deus
 Tenho que me aventurar
 Tenho que subir aos céus
 Sem cordas pra segurar
 Tenho que dizer adeus
 Dar as costas, caminhar
 Decidido, pela estrada
 Que ao findar vai dar em nada
 Nada, nada, nada, nada
 Nada, nada, nada, nada
 Nada, nada, nada, nada
 Do que eu pensava encontrar

Gilberto Gil

Alegria da cidade

A minha pele de ébano é
 A minha alma nua
 Espalhando a luz do sol
 Espelhando a luz da lua
 
 Tem a plumagem da noite
 E a liberdade da rua
 Minha pele é linguagem
 E a leitura é toda sua
 
 Será que você não viu
 Não entendeu o meu toque
 No coração da América eu sou o jazz, sou o rock
 
 Eu sou parte de você, mesmo que você me negue
 Na beleza do afoxé, ou no balanço no reggae
 
 Eu sou o sol da Jamaica
 Sou a cor da Bahia
 Sou sou você e você não sabia
 
 Liberdade Curuzu, Harlem, Palmares, Soweto
 
 Nosso céu é todo blue e o mundo é um grande gueto
 
 Apesar de tanto não
 Tanta dor que nos invade, somos nós a alegria da cidade
 Apesar de tanto não
 Tanta marginalidade, somos nós a alegria da cidade

Lazzo Matumbi e Jorge Portugal

 

Metade

Que a força do medo que tenho
não me impeça de ver o que anseio

 
Que a morte de tudo em que acredito
não me tape os ouvidos e a boca
porque metade de mim é o que eu grito
mas a outra metade é silêncio.

 
Que a música que ouço ao longe
seja linda ainda que tristeza
que a mulher que amo seja pra sempre amada
mesmo que distante
porque metade de mim é partida
mas a outra metade é saudade.

 
Que as palavras que eu falo
não sejam ouvidas como prece e nem repetidas com fervor
apenas respeitadas como a única coisa
que resta a um homem inundado de sentimentos
porque metade de mim é o que ouço
mas a outra metade é o que calo.

 
Que essa minha vontade de ir embora
se transforme na calma e na paz que eu mereço
e que essa tensão que me corrói por dentro
seja um dia recompensada
porque metade de mim é o que penso
mas a outra metade é um vulcão.

 
Que o medo da solidão se afaste
e que o convívio comigo mesmo se torne ao menos suportável
que o espelho reflita em meu rosto um doce sorriso
que eu me lembro ter dado na infância
porque metade de mim é a lembrança do que fui
a outra metade não sei.

 
Que não seja preciso mais do que uma simples alegria
pra me fazer aquietar o espírito
e que o teu silêncio me fale cada vez mais
porque metade de mim é abrigo
mas a outra metade é cansaço.

 
Que a arte nos aponte uma resposta
mesmo que ela não saiba
e que ninguém a tente complicar
porque é preciso simplicidade pra fazê-la florescer
porque metade de mim é platéia
e a outra metade é canção.

 
E que a minha loucura seja perdoada
porque metade de mim é amor
e a outra metade também.

 

Oswaldo Montenegro

joven-rodeada-de-mariposas

Imagem disponível em: http://ift.tt/1O6zheY