26 de julho,

em meio à melancolia persistente almejo a pausa – utópica. parar um pouco o tempo, fugir por tempo indeterminado das obrigações de tudo. me esconder numa concha literal.

uma tristeza, Tereza… dessas que não sabe-se bem a procedência.

tudo ao meu redor me dói um pouco. acho que estou cansada de correr tanto [risco]. o pior é que o tempo não nos cede a gentileza de recobrarmos nosso fôlego escasso.

cada um sabe onde doem seus calos.

Deisiane Barbosa (Cartas à Tereza, v.1: fragmentos de uma correspondência incompleta, edição do autor, 2015)

20160426_204537-001

Foto: Lílian Almeida

Anúncios

2 pensamentos sobre “26 de julho,

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s