Quadrilha

A tentativa de calar a voz da poeta é inútil. O seu dizer é a dor de muitos, a fala de tantos. Inoperante arrancar os outdoors, desvestir as palavras, travestir os sujeitos. A cor da pele estará lá. E a voz de inúmeros ecoará para além das ruas. Na palavra dela, a desventura dos pretos e das pedras.

Quadrilha

Maria não amava João,
Apenas idolatrava seus pés escuros.
Quando João morreu,
assassinado pela PM,
Maria guardou todos os seus sapatos.

 

20141114_171349

Foto: Lílian Almeida

 

Desventura

Que mais pode um poeta fazer das pedras,
senão cantá-las?
 Lívia Natália (Correntezas e outros estudos marinhos, Ogums Toques, 2015)

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s