Molesquine

Foto: Lílian Almeida

Foto: Lílian Almeida

Mais uma categoria para o baú de Cartas, fotografias e outros guardados: molesquine. O fragmento, o registro, o cotidiano, o espanto, o êxtase.

I

Guarulhos – Congonhas: o percurso. A companhia: uma garota de seis anos. A prosa: o brinde feliz do hambúrguer, o tamanho do Cristo Redentor, o desejo de ser chamada de filha. Você já falou isso com sua mãe? Já. E ela? Continua me chamando de Émile. Silenciei, engoli a seco. Há ouvidos inaptos a escutar. O verde dos olhos dela murchou. Baixei os meus, envergonhada pela mãe, irmanando-me no desejo dela. Eu segui o meu percurso daquele dia com a sua dor nos meus olhos e um abismo rasgado no meio do peito.

Lílian Almeida

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s