E as margens

E as margens

 

Respira mansa a superfície do lago

silêncio e lágrimas pesam-lhe as margens.

 

Uma mulher quieta

enche as mãos de sangue

cortando o azul

da superfície de vidro.

 

Ana Paula Tavares

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s