Penélope

Hoje desfiz o último ponto

A trama do bordado.

No palácio deserto ladra

O cão

Um sibilo de flechas

Devolve-me o passado.

Com os olhos da memória

Vejo o arco

Que se  encurva,

A flecha que o distende.

Reconheço no silêncio

A paz que me faltava,

(No mármore da entrada

agonizam os pretendentes).

O ciclo está completo

A espera acabada.

Quando Ulisses chegar

A sopa estará fria.

Myriam Fraga 

 

 

O poema acima integra o livro Femina (1996).

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s